You are currently viewing Restrições Alimentares

Restrições Alimentares

      Por várias razões muitas pessoas acabam tendo restrições alimentares, necessitando de uma atenção especial na hora de se alimentar. As restrições variam em tipo e intensidade de acordo com cada indivíduo, seu organismo e condição de saúde. Existem diferentes restrições alimentares: uma intolerância alimentar sintomática ocorre quando o organismo de uma pessoa não é capaz de digerir determinado nutriente; já uma alergia alimentar é uma reação de saúde adversa que ocorre quando o sistema imunológico reconhece, de forma incorreta, um nutriente como sendo um fator agressivo ao organismo. Uma pesquisa realizada pela Nielsen em 2016 mostrou que 36% dos consumidores têm alguma alergia ou intolerância a um ou mais gêneros alimentícios.


→ Alguns dos principais responsáveis por restrições alimentares:

  • Glúten e Trigo: O glúten se trata de um composto de proteínas (gliadina e glutenina) encontrado em diversos alimentos, como o trigo, malte, cevada, centeio e outros cereais. Quando a pessoa tem o glúten como uma restrição alimentar, é possível que ela seja portadora de doença celíaca, caracterizada por uma reação contra o próprio intestino delgado perante a ingestão de glúten, a qual faz diminuir a capacidade de absorção de nutrientes pelo organismo, resultando em má nutrição, anemia, perda de peso e fadiga. Os doentes celíacos são extremamente sensíveis ao glúten, mesmo quando este é ingerido em pequenas quantidades. Deve-se ter muito cuidado com alimentos que, a princípio, não aparentam ter glúten: ingredientes que contém glúten podem deixar traços que perduram no ambiente e podem contaminar outros alimentos. Os intolerantes ao glúten correspondem estão entre 6-10% da população. Também pode ocorrer a alergia ao trigo, resultante de uma reação do organismo contra uma proteína específica do cereal.
  • Lactose e Caseína: A lactose é um açúcar encontrado no leite e seus derivados, e a sua intolerância surge da incapacidade do organismo digerí-la, devido à falta da enzima lactase (responsável pela digestão da lactose); existem pessoas tolerantes à lactose (digerem facilmente a lactose), semi-tolerantes (digerem diariamente quantidades pequenas de lactose) e as intolerantes à lactose (não conseguem digerir a lactose mesmo em pequena quantidade). Já a caseína, principal proteína do leite, pode ser responsável por uma alergia alimentar que se dá por uma reação adversa do organismo em contato com a caseína.
  • Açúcar: O açúcar é uma das restrições alimentares mais comuns da atualidade; isso ocorre em partes pelo grande número de diabéticos. A diabetes pode ser dividida em dois tipos:

Diabetes tipo 1 – onde o sistema imunológico ataca equivocadamente as células beta (produtoras de insulina), com pouca ou nenhuma insulina sendo liberada para o corpo. Como resultado, a glicose fica no sangue, em vez de ser usada como energia. 

Diabetes tipo 2 – ocorre quando o organismo não consegue usar adequadamente a insulina que produz; ou não produz insulina suficiente para controlar a taxa de glicemia.

  • Soja: A Soja possui uma proteína responsável por causar uma alergia alimentar, que ocorre principalmente em bebês e crianças. São muitos os produtos os quais a soja se faz presente; por se tratar de um produto transgênico é facilmente encontrada em produtos industrializados, além de poder haver contaminação cruzada com outros produtos.                                                                
  • Ovos: As proteínas presentes na clara do ovo podem causar reações alérgicas em algumas pessoas.

      Buscando atender o público com restrições alimentares surgem novas tendências de mercado, como os alimentos “free from”, na qual se enquadram produtos livres de glúten, lactose, alérgenos, lácteos ou carnes, e cresceu 29% ao ano entre 2012 e 2017 no Brasil. Buscando aumentar as escolhas de alimentos isentos desses constituintes que podem gerar restrições, determinados alimentos são especialmente produzidos, preparados e/ou transformados de forma a reduzir o teor dos mesmos de um ou mais ingredientes que os contêm ou para substituir os ingredientes que os contêm por outros ingredientes sem esses constituintes. Outros alimentos são constituídos exclusivamente de ingredientes que naturalmente não possuam essas substâncias capazes de provocar restrições.

      Seja por restrições alimentares ou por opção, milhares das pessoas estão mudando seus hábitos de consumo alimentares, e acompanhar essa tendência pode ser uma ótima oportunidade de negócio para os pequenos e médios empreendedores. Você, empreendedor do ramo de alimentos, não sabe como pode estar ingressando nesse mercado ou não sabe quais produtos pode estar oferecendo para atender esse público? Entre em contato com a Nutri Jr. para que possamos estar tirando as suas dúvidas e entender como podemos estar atuando em parceria para que seu sonho se torne uma realidade. 


REFERÊNCIAS:

  1. MORGADO, Benedita. O que são restrições alimentares?. Disponível em: http://100tracos.com.br/o-que-sao-restricoes-alimentares-intolerancia-e-alergia/. Acesso em: 23 jun. 2020.
  2. SEBRAE. Restrição alimentar abre um novo nicho de negócio para bares e restaurantes. Disponível em: https://blog.sebrae-sc.com.br/restricao-alimentar-novo-nicho-de-negocio/. Acesso em: 23 jun. 2020.
  3. EJEQ. Restrições Alimentares: Soja. 29 out. 2019. Disponível em: https://www.ejeq.com.br/restricoes-alimentares-soja/. Acesso em: 23 jun. 2020.
  4. MELHOR COMPRA. Quais são as principais restrições alimentares. Disponível em: http://blog.melhorcomprabrasil.com/quais-sao-as-principais-restricoes-alimentares/. Acesso em: 23 jun. 2020.

 

 

 

Deixe uma resposta