You are currently viewing Como interpretar a informação nutricional

Como interpretar a informação nutricional

Essa semana, a Nutri Jr. traz 4 dicas para entender de vez como funciona a informação nutricional e o que levar em consideração na hora de escolher o alimento!


Por que é importante saber ler a informação nutricional

A Agencia Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) tornou obrigatório desde 2001, a informação nutricional presentes nos produtos regulados pela mesma, fazendo da informação nutricional um importante instrumento de garantia do direito do consumidor.

Infelizmente, apesar de ser um meio de permitir ao consumidor saber o que está consumindo, grande parte das pessoas não atenta a essa informação, muitas vezes, por não saber como realizar a leitura. Além disso, muitos dos produtos industrializados nas prateleiras dos supermercados possuem quantidades exageradas de certos nutrientes, o que pode ser prejudicial à saúde.

Listamos aqui dicas para realizar uma leitura da informação nutricional e melhorar a escolha na hora da compra dos alimentos.

  1. Observe a lista de ingredientes

Os ingredientes do alimento são ordenados em ordem decrescente de quantidade, ou seja, o primeiro ingrediente da lista é o que está presente em maior quantidade. Atente aos produtos que possuem como primeiro ingredientes os açúcares, extratos de glicose, sódio e gorduras.

Outros nomes para açúcares que são usados na lista de ingredientes:

– Sacarose;

– Frutose;

– Maltodextrina;

– Lactose;

– Dextrose;

– Xaropes (de milho, de malte…);

– Açúcar invertido;

  1. Entenda a composição da tabela nutricional

A tabela nutricional é organizada com as seguintes informações:

  • Porção: Indica qual a quantidade do produto recomendada para consumo para manter uma alimentação saudável. Muitas vezes, o valor da porção não corresponde ao conteúdo da embalagem, e por isso, se for consumido totalmente, pode ser prejudicial, pois leva a um excesso de consumo de determinado nutriente.
  • Nutrientes:

– Carboidratos (classe de nutrientes que inclui fibra alimentar, açúcares como, por exemplo, a sacarose, lactose e maltose, polissacarídeos de origem animal ou vegetal como amilopectina e glicogênio).

– Fibra alimentar (mostrada à parte, mas incluída nos carboidratos);

– Proteínas;

– Gorduras totais;

– Gorduras saturadas;

– Sódio;

  • Quantidade, por porção, de cada um dos nutrientes;
  • Valores diários em porcentagem: Mostra o percentual do nutriente ingerido para uma dieta que considera a ingestão de 2000 Kcal ao dia.
  1. Entenda a recomendação dos nutrientes

A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda ingestão diária de até cinco gramas de sal e 50 g no caso dos açúcares. Dessa forma, o ideal é diminuir o consumo de processados, pois são ricos nesses compostos e são utilizados, muitas vezes, como modo de conservar o alimento por mais tempo na prateleira. Conforme resolução publicada pela ANVISA, o total de calorias recomendada para um adulto são 2000 calorias diárias e o valor dos nutrientes conforme o que se segue:

Carboidratos: 300g;

Proteínas: 75g;

Gorduras Totais: 55g;

Gorduras Saturadas: 22g;

Fibra Alimentar: 25g;

Sódio: 2000 a 2400mg;

Açúcares: 150 g

  1. O que priorizar

É importante evitar alimentos com alto teor de sódio, açúcares e gorduras, e dar preferência aos alimentos menos processados e/ou in natura, conforme recomenda o Guia Alimentar para a População Brasileira, de 2014.  As gorduras saturadas, presentes naturalmente nos alimentos de origem animal, como leite integral, queijos e carnes, e as tão temidas gorduras trans, dos salgadinhos em pacotes, biscoitos, sorvetes e margarinas, podem contribuir para o aumento do colesterol ruim (LDL) e risco do desenvolvimento de doenças do coração. Além disso, o  sódio, muito presente em embutidos, deve ser consumido de modo equilibrado por poder elevar a pressão arterial.

 

 

Deixe uma resposta