Você sabe o que são aditivos alimentares?

As mudanças relacionadas aos hábitos de vida da humanidade, com a incorporação de uma rotina mais acelerada e cada vez mais distante do ambiente familiar, resultaram na empregabilidade de novas tecnologias pela indústria alimentícia, levando à modificações em seus costumes alimentares.

As frutas e vegetais em sua forma in natura, que antes compunham a base da alimentação humana, perderam sua prioridade de consumo para os novos e mais diversos produtos alimentícios desenvolvidos pela indústria.

A industrialização dos alimentos envolve, entre outros processos, técnicas aplicadas à conservação destes, aumentando sua vida útil. Com isso, houve uma crescente utilização de produtos químicos, chamados de aditivos alimentares.

Mas afinal, o que são aditivos alimentares?

São quaisquer substâncias químicas que não são consumidas isoladamente como alimento,  que não servem como ingrediente base de uma preparação e que podem ser ou não nutritivos. São adicionadas intencionalmente ao alimento, com o intuito de aumentar o  seu tempo de vida útil, bem como alterar suas propriedades organolépticas (aparência, sabor, cor, aroma, textura).

Os aditivos são classificados de acordo com a sua propriedade e função a ser exercida, podendo ser provenientes de fontes naturais ou artificiais. Porém, os mais utilizados em alimentos ultraprocessados são os artificiais, devido ao baixo custo.

Confira abaixo os aditivos mais utilizados e suas funções:

  • Corantes: utilizados para intensificar a cor dos alimentos.
  • Aromatizantes: realçar o aroma e/ou o sabor dos alimentos. Geralmente é utilizado para “imitar” o aroma ou o sabor de algum alimento natural.
  • Espessante:  modifica ou mantém a consistência do alimento.
  • Umectante: impede o ressecamento do alimento, através da retenção da umidade.
  • Anti-umectantes: evitam que o alimento absorva umidade externa e altere sua textura.
  • Estabilizantes: utilizados para manter a aparência do alimento.
  • Acidulantes:  utilizados para acentuar o sabor ácido e doce do alimento.
  • Edulcorantes: utilizados em substituição ao açúcar, presente principalmente em produtos dietéticos, light e diet. Podem ser encontrados também como sacarina, sorbitol e aspartame.
  • Conservantes: impedem que os alimentos decomponham-se rapidamente pela ação de fungos, insetos e/ou bactérias.
  • Antioxidantes: atuam também na conservação, evitam a oxidação do alimento, e principalmente da gordura.

Onde eles estão mais presentes?

Os produtos industrializados, em sua maioria, possuem vários tipos de aditivos em um mesmo alimento. Os mais comuns são: biscoitos, pães, salgadinhos, suco em pó, refrigerante, balas, guloseimas, entre outros.

Como identificá-los?

Os aditivos aparecem na lista de ingredientes, porém não estão em ordem decrescente de acordo com a quantidade utilizada, parecendo apenas no final da lista. Normalmente, os nomes empregados a estes são difíceis de identificar, pois possuem siglas acompanhadas de um número, por exemplo: BHT (Butil Hidroxitolueno), BHA (Butil Hidroxianisol), EDTA (Cálcio Dissódico), E 249-252 (nitratos e nitritos).

Qual a relação dos aditivos artificiais com a saúde?

Embora não haja comprovação científica, inclusive há deficiência de estudos nesta área, é importante estar atendo aos possíveis danos à saúde. Alguns estudos apontam que o uso diário e excessivo de aditivos alimentares presentes em alimentos ultraprocessados, aliados a outros fatores ambientais e hábitos alimentares, são possivelmente cancerígenos. E relacionaram o desenvolvimento de alergias, mudanças no comportamento, como a hiperatividade, em crianças que possuem essa ingestão excessiva.

Como eu posso substituir os aditivos artificiais por naturais?

Caso você produza alimentos que necessitem de um tempo maior de conservação ou queira realçar alguma propriedade organoléptica, ou até mesmo na obtenção de alimentos mais práticos, saiba que existem aditivos alimentares naturais provenientes de fontes vegetais que podem ser utilizados. Alguns deles são:

  • Espessantes: goma guar, goma xantana, pectina, carragena, biomassa de banana verde.
  • Acidulantes e conservantes: ácido ascórbico (vitamina C), ácido cítrico, óleos e especiarias também possuem essa propriedade de conservação.
  • Corantes:  alguns corantes são extraídos de plantas que possuem pigmentação e propriedade de coloração, como a beterraba, cenoura, açafrão e colorau.

Dicas valiosas:

Dê prioridade para a produção de seu próprio alimento. Caso não seja possível, prefira comprar alimentos caseiros, de produção local e com poucos ingredientes (fique atento aos rótulos). Nesses casos, como o produto não precisa de grande deslocamento e são mais rapidamente consumidos, não é necessária a adição de conservantes. Leia sempre o rótulo do produto e dê preferência para aqueles que possuem poucos (ou nenhum) aditivo. Ao desenvolver ou aprimorar um alimento, pesquise sobre técnicas, alternativas e produtos de fontes naturais que você pode utilizar. E sobretudo, faça dos alimentos in natura a base de sua alimentação!

Fontes:

Polônio, Maria Lúcia Teixeira. Peres, Frederico. Consumo de aditivos alimentares e efeitos à saúde: desafios para a saúde pública brasileira. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 25(8):1653-1666, ago, 2009

Deixe uma resposta