Como inserir alimentos saudáveis na alimentação das crianças?

A matéria da semana reúne colaborações das nutricionistas Amanda Martins e Camila Martinelli. Ambas são graduadas em Nutrição pela Universidade Federal de Santa Catarina e possuem Pós-graduação em Nutrição e Pediatria pelo Instituto de Pesquisas, Ensino e Gestão em Saúde. Atuam como responsáveis técnicas em escolas particulares e são sócio-fundadoras da Laranja Lima Consultoria em Nutrição Materno Infantil.

Como inserir alimentos saudáveis na alimentação das crianças?

Os primeiros anos de vida de uma criança são fundamentais na construção de muitas das características que elas levarão para toda a vida. A alimentação é uma destas e atualmente já se sabe a importância da nutrição no início da vida, com ênfase nos primeiros mil dias.

Neste âmbito, uma grande dúvida que surge aos pais é como proporcionar à criança estímulos adequados que facilitem a formação de bons hábitos alimentares? Inicialmente, a criança inicia seu contato com os alimentos através de flavours presentes no líquido amniótico e no leite materno, e por este motivo é importante que a mãe alimente-se de forma adequada, consumindo o maior número de alimentos diferentes durante a gestação e amamentação.

A partir do momento em que a criança inicia a introdução de alimentos sólidos, é importante que a mesma variedade de alimentos da alimentação da mãe seja introduzida a ela também, evitando a introdução precoce de sal, açúcar e alimentos industrializados, proporcionando um conhecimento maior de alimentos na sua rotina diária.

Com o crescimento da criança, especialmente após completar seu segundo ano de vida, é comum observar períodos de recusa a determinados alimentos ou texturas, em especial as frutas e verduras, sendo estes momentos passageiros quando a criança é incentivada a continuar se alimentando de forma adequada.

Abaixo citamos alguns pontos importantes de como estimular o consumo de alimentos saudáveis com as crianças:

  •  Sentar-se a mesa com a criança no mínimo uma vez ao dia, perguntando sobre seu dia e incentivando que a criança alimente-se de forma tranquila, com atenção ao que come;
  • A família é sempre o exemplo, isso significa que a criança vai se espelhar nos pais, seguindo o que observa. Consumir alimentos como refrigerantes, biscoitos recheados ou chocolates perto da criança a estimula a preferir e consumir estes também, por isso é importante que a família toda se alimente de forma adequada;
  • Desligue a TV, o tablet e o celular na mesa, estas distrações fazem com que a criança perca o interesse na comida, comendo rápido e não apreciando os alimentos no prato;
  • Apresente os alimentos de formas diferentes, se a criança não aceitar mude a forma de preparo ou combine com outros alimentos, utilize temperos naturais que preferir, evitando os prontos;
  • Deixe o prato colorido e diversificado, acrescente alimentos verdes, amarelos, crus e cozidos, quanto mais alegre o prato, mais fácil a criança se interessar e experimentar;
  • Vamos experimentar! Mesmo que a criança não goste do alimento, estimule que prove um pedaço e observe sua reação, muitas vezes as crianças dizem não gostar antes mesmo de provar. Cuidado com o “comer tudo”, respeite os sinais de fome a saciedade que a criança apresenta às vezes o tudo do adulto pode ser demais para a criança;
  • Não faça trocas, evite oferecer outro alimento quando a criança não aceita a refeição. Ela precisa entender que precisa comer o que está sendo oferecido;
  • E por fim: Leve para a cozinha e convide a participar! Quando a criança participa do processo de produção das receitas, começa a conhecer melhor cada alimento, sua cor, sabor e textura e assim a relação com a comida fica mais interessante;

Finalizando, é importante ter paciência e calma nestes momentos, a criança tende a deixar as recusas alimentares quando é estimulada e respeitada e de forma geral essa é uma fase e vai passar. Lembre-se que as crianças quando constroem hábitos alimentares adequados na infância levam para toda a vida.

Referências:

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. DEPARTAMENTO CIENTÍFICO DE NUTROLOGIA. Manual de orientação para alimentação do lactente, do pré-escolar, do escolar, do adolescente e na escola. Departamento de Nutrologia. Sociedade Brasileira de Pediatria, 3o Ed. Rio de Janeiro, RJ. 2012

VAN DER HORST, Klazine; FERRAGE, Aurore; RYTZ, Andreas. Involving children in meal preparation. Effects on food intake. Appetite, v. 79, p. 18-24, 2014.

KAPIM, Gabriela; ABREU, Ana. Socorro! Meu filho come mal. Rio de Janeiro : LeYa, 2014.

Deixe uma resposta